Seminário – “Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar – O PAA na modalidade Compra Institucional”

Na última quarta dia 18,  a Companhia Nacional de Abastecimento – CONAB, realizou um evento sobre “Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar – O PAA na Modalidade Compra Institucional”. O Seminário aconteceu no auditório da Superintendência da CONAB , teve como objetivo contribuir com a compreensão do Programa de Aquisição de Alimentos e apresentar as principais formas de apoio da CONAB à execução da modalidade Compra Institucional que foi descrita por esse órgão em  três elementos centrais: a utilização de chamadas públicas, a definição de preços de aquisição coerentes com o mercado, e os limites individuais de vendas por agricultores familiares e suas cooperativas e associações.

Estavam presentes órgãos públicos federais, estaduais e municipais que podem comprar, pois fornecem alimentação de forma permanente – Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica),  Instituto Federal Baiano – IFBA e Prefeituras. Vale ressaltar que qualquer órgão público pode adquirir produtos da Agricultura Familiar para suas necessidades de alimentos eventuais e em menor escala.

Além dos órgãos compradores, também estavam presentes organizações que fazem a articulação intersetorial para a operacionalização do Programa de compra de Alimentos, e os representantes da Agricultura familiar – Cooperativas e Associações.

A Cooperbac, representada por Joara de Oliveira que  falou sobre a importância da  agricultura familiar , reforçando para os presentes que essa modalidade de aquisição de alimento é um importante pilar para a economia, sendo que a produção é diversificada, realizada com cautela e responsabilidade, voltada para o mercado interno e aos poucos assumindo um espaço no mercado externo e com pouco ou nenhum uso de defensivos agrícolas. Joara ressaltou que a agricultura familiar é responsável pela geração de riquezas e de alimentos saudáveis, além de ser uma grande incentivadora da fixação das pessoas no campo, promovendo o desenvolvimento socioeconômico e cultural das comunidades locais, sendo assim incentivá-la é uma questão não só econômica, mas ambiental e social.

Segundo dados do novo relatório da Organização das Nações Unidas, denominado “Estado da Alimentação e da Agricultura”, o segmento tem capacidade para colaborar na erradicação da fome mundial e alcançar a segurança alimentar sustentável.

Enfim, o evento demostrou que a união em forma de cooperativismo e associativismo  é um dos setores da economia brasileira que tem um grande potencial. A cada ano mais pessoas aderem esse modelo socioeconômico, que tem como referenciais a participação democrática, solidariedade, independência e autonomia, sendo assim, esses setores ganham cada vez mais adesão porque visa às necessidades do grupo e não somente ao lucro, respeitando os pilares da sustentabilidade, ao aliar o economicamente viável ao ecologicamente correto e ao socialmente justo.00

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.